eu tenho uma aranha.

não que algum dia eu tenha gostado de animais exóticos e tenha sonhado com um bicho que mora num tapawer. minha onda é bicho que faz barulho, que reage, que balança o rabo quando eu chego. já tive um peixe, daqueles betas hipnotizantes que vivem nadando em circulos, mas não tenho noção de dieta balanceada para animais vertebrados subaquáticos. ele acabou morrendo de obesidade morbida, enfiado no fundo do aquário. quando eu comprei o peixe, eu queria que ele vivesse sozinho, tomasse banho sozinho, comesse sozinho e saísse sozinho nos finais de semana. mas ele me decepcionou.

também já tive um hamster, mas esse se fodeu muito mais. pra começar, eu só comprei porque ele custava um real. não tinha idéia do que fazer com ele. tanto que ele foi até minha casa dentro de um saco de pão e acabou indigente morando numa lixeira de plastico durante o periodo de procurar uma moradia nos classificados de domingo. e esse bicho sofreu. pra começar, levou nome de homem e eu só descobri uns 15 meses depois que ela tinha ovários. a infância da coitada, que acabou com o nome de “róia” (derivação de roy + sufixo feminino aleatório, porque ela também podia ter sido chamada de roisdete ou roislene), também foi difícil. demorei um tempo para descobrir que hamsters ficam com a comida guardada na garganta pra mais tarde. achamos que ela tinha engasgado e bombamos com a pinça na guela da coitada. sofrimento nunca acaba quando se é um bicho feinho e sem atitude.

mas a história com a aranha é recente. de fato, estou chateada porque ainda não a encontrei. não sei a marca, não sei o modelo, muito menos o tamanho. isso faz uma baita diferença na escolha do nome. se ela for pequena, vai ser um nome babaca com inha no final. certeza. mas se for tipo uma taturana thunder, aí vai ter que ser alguma coisa mais hardcore como maria do mal ou joana maquiavélica. imagem é tudo, sabe? mas o nosso relacionamento, que está só no inicio, é um pouco complexo. ela se faz de difícil, brinca de esconder, gosta de deixar recadinhos. e dá-lhe teia no meu carro. não me dá amor, mas me dá um trabalhão. é teia no vidro, é teia no banco. se ela acha que eu ou dessas que se apaixona por admirador secreto, ah, acho bom ela se cuidar.

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s